Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Aparelhos precisam se adaptar para captar faixa estendida da rádio FM

Agência Brasil

Postado em 21/05/2021 por

Compartilhe agora

Aparelhos precisam se adaptar para captar faixa estendida da rádio FM

O número de rádios FM vem aumentando em todo o país. Com a migração das rádios AM para FM, vários veículos tradicionais, como a Rádio Nacional e a MEC AM estrearam na FM em São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Rio e Brasília, levando música e informações com melhor qualidade de som.

Com essa migração, a frequência da FM vai ser estendida nas maiores cidades do país, onde não há espaço para novas rádios. As faixas, que iam de 88 a 107 MHz, agora vão começar em 76 MHz. Mas, para ouvir essas rádios, os aparelhos vão ter que se adaptar.

A consultora em mídias sonoras, Edla Lula, avalia que a apesar da perda do alcance do sinal, a migração da AM para a FM vai garantir a qualidade do áudio ao ouvinte.

Dos mais de 1,6 mil pedidos de rádios AM, 850 já conseguiram migrar para a FM. Somente 96 emissoras ainda não realizaram pedido de migração.

O diretor de Rádio da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e TV, André Cintra, diz que várias emissoras privadas aceitaram a diminuição da potência para migrar para a faixa convencional do FM. Mas ressalta a importância da abertura desses novos canais para incentivar a produção de aparelhos que alcancem a nova faixa.

O Ministério das Comunicações inclusive anunciou uma diretriz para que os celulares recebam o sinal FM. 90% dos aparelhos vendidos no país já tem um receptor embutido, mas as empresas acabam desativando a função nos celulares.

Assim, será necessário que os aplicativos de rádio FM nos celulares sejam atualizados para acessar os novos canais entre 76 e o 87 FM.  Desde 2019, os aparelhos de som automotivos produzidos no país já são obrigados a carregar essa nova faixa FM.

Com a migração da AM e a extensão da faixa FM, as discussões sobre a digitalização do rádio no país devem ficar na gaveta. O debate, que começou nos anos 2000, acabou não avançando para escolha de um padrão digital, como ocorreu na TV, pela falta de interesse das emissoras de rádio.

Agência Nacional

Deixe um comentário

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.