Ouça agora na Rádio

Congresso responde a tanques com votos

Divulgação

Postado em 11/08/2021 por

Compartilhe agora

A PEC não conseguiu o mínimo de 308 para seguir tramitando e está arquivada em definitivo

Se a ideia do desfile militar na Praça dos Três Poderes na manhã de ontem era intimidar a Câmara no dia em que a PEC do voto impresso ia ao Plenário, o tiro passou longe do alvo. Embora tivesse a maioria apertada dos votos, 229 a 218, a PEC não conseguiu o mínimo de 308 para seguir tramitando e está arquivada em definitivo. Mais cedo, o Senado deu de surpresa uma resposta ainda mais contundente: aprovou o projeto que extingue a Lei de Segurança Nacional, além de criminalizar golpes de Estado e fake news em eleições. E, como se não bastasse, Bolsonaro expôs as Forças Armadas ao ridículo com um desfile de tanques soltando fumaça para uma centena de apoiadores. As redes sociais passaram o dia gerando piadas e críticas no Brasil e no exterior. (Estadão)

Pela primeira vez desde 1984, nos estertores da ditadura militar, Brasília amanheceu sob o fantasma dos ‘tanques na rua’. O pretexto era entregar um convite simbólico ao presidente Jair Bolsonaro para exercícios militares de rotina, e assim a Marinha entraria na Praça dos Três Poderes com veículos de combate. Ocorreu, porém, no dia em que a Câmara decidiria a PEC do voto impresso. O que se viu foi um desastre, que logo virou piada, muito longe de uma demonstração de força. Tanques antigos, soltando muita fumaça preta, desfilaram diante de pouco mais de uma centena de apoiadores do governo. O comandante da Marinha, almirante Almir Garnier, disse que o desfile no dia da votação era “mera coincidência”, mas, como revela Valdo Cruz, assessores presidenciais admitiram em sigilo que o desfile foi montado às pressas para intimidar o Legislativo. Tanto que o Comandante do Exército, general Paulo Sérgio de Oliveira, só ficou sabendo que sua presença era obrigatória na véspera, conta Gerson Camarotti. (G1)

A ida de Paulo Sérgio provocou um rebuliço do Alto Comando do Exército. Thais Oyama revela que os generais queriam que o comandante recusasse a convocação do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, o que seria um gesto de insubordinação. (UOL)

Convidados, os demais Poderes não enviaram representantes. E chamou a atenção a ausência do vice-presidente Hamilton Mourão, ele próprio general da reserva. Não se sabe se foi convidado, mas, segundo fontes, o vice considerou que sua presença era inadequada. (CNN Brasil)

Tanques com quase 50 anos de uso e blindados empregados pelos EUA no Vietnã. Confira o que a Marinha exibiu em Brasília. (BBC Brasil)

Como era previsto, a repercussão internacional não foi nada boa para a imagem do Brasil. O melhor resumo foi feito pelo inglês The Guardian: “Parada militar de ‘república das bananas’ de Bolsonaro é condenada por críticos”. (Metrópoles)

Octávio Guedes: “Bolsonaro representa para as Forças Armadas brasileiras o que a Guerra das Malvinas representou para os militares argentinos. Levantamento feito pela Quaest Pesquisa em 2.300 posts publicados nas redes sociais indica que 93% são chacota com o desfile ou críticas ao presidente.” (G1)

E se houve demonstração de força, ela foi dos memes. (UOL)

A resposta do Legislativo começou pelo Senado, onde o presidente Rodrigo Pacheco (DEM-MG) abriu a sessão com um discurso duro, dizendo que o Congresso não se curvaria a “arroubos, a bravatas, a ações que definitivamente não calham no Estado democrático de direito”. (UOL)

Mas a reação mais contundente foi no Plenário, com a aprovação do projeto de lei que extinguiu a Lei de Segurança Nacional (LSN), entulho da ditadura, e tipificou os crimes contra a democracia. Como o texto que veio da Câmara não foi alterado, ele vai agora à sanção presidencial, e a expectativa é de que Bolsonaro não economize nos vetos. Que podem ser derrubados no Congresso. Com a nova lei, passam a ser considerados crimes o golpe de Estado, a ameaça às eleições e a divulgação de notícias falsas em campanha eleitoral. (Folha)

A mais dolorosa derrota de Bolsonaro, embora não tão esmagadora quanto se esperava, foi a rejeição pela Câmara da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que instituía voto impresso no sistema de urnas eletrônicas. A proposta teve 229 votos a favor e 218 contra, com uma abstenção, do deputado Aécio Neves (PSDB-MG). Embora tivesse 11 votos a mais, a PEC não atingiu os 308 mínimos necessários e foi arquivada. Como era previsto, 15 partidos (PT, PL, PSD, MDB, PSDB, PSB, PDT, SD, DEM, PSOL, Avante, PCdoB, Cidadania, PV e Rede) orientaram suas bancadas a votar contra a PEC. Republicanos, PSL e Podemos ficaram a favor. Não tomaram posição PSC, PROS, Novo, PTB e, surpreendentemente, o PP, partido do presidente da Câmara, Arthur Lira (AL), do líder do governo, Ricardo Barros (PR), e do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira. (Globo)

Confira como votou cada parlamentar. Spoiler: PSDB, DEM e Novo deram maioria de votos à tese golpista de Bolsonaro. (UOL)

Após a votação, Lira disse que o voto impresso era um assunto encerrado este ano, o que inviabiliza sua adoção no pleito de 2022. “Vai ao arquivo e, com respeito à Câmara dos Deputados, esse assunto está neste ano, com esse viés de constitucionalidade, encerrado. Nós não teríamos tempo nem espaço para iniciar nova discussão”, afirmou. (G1)

Em meio à confusão, a Câmara aprovou também uma minirreforma trabalhista. Um dos pontos críticos reduz a fiscalização e a capacidade de aplicar multas para quem mantem pessoas em regime de escravidão moderna, segundo Leonardo Sakamoto. O plenário ainda pode modificar o texto antes da aprovação final. (UOL)

Meio em vídeo. No Conversas com o Meio desta semana, o advogado criminalista Augusto de Arruda Botelho vem ao programa para analisar os impactos da fala do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, em resposta ao presidente Jair Bolsonaro e proporcionar uma leitura sobre o cenário do poder judiciário e da democracia brasileira. Confira no YouTube.

O senador José Serra (PSDB-SP) pediu ontem licença de quatro meses para tratar do Mal de Parkinson. Seu suplente, o também tucano José Aníbal, vai substituí-lo. (Poder360)

Foi uma vitória difícil construir, obtida com margem de um voto — os republicanos votaram todos contra, os democratas todos a favor, deu 50 a 50, a presidente do Senado e vice-presidente Kamala Harris desempatou. Mas o gigantesco pacote de US$ 3,5 trilhões (RS 18,2 trilhões, mais que o dobro do PIB brasileiro em 2020) foi aprovado, nos EUA. O dinheiro terá por destino ampliação da rede de seguridade social, garantia de acesso à saúde e educação e investimentos em energia limpa, com taxação maior de empresas e dos mais ricos. (New York Times)

Nossa assinatura premium não tem pegadinha, daquelas que é mais barata nos primeiros meses e depois dá um salto, ou daquelas outras que você precisa falar com sei lá quantos atendentes para cancelar, precisa dar um tempo? É só ir em nosso site premium e cancelar, depois você pode voltar, quando quiser. Sempre pelo mesmo preço, mais barato do que um lanche na padaria. Assine.

Finanças em Dia

Qualquer um tem vontade de poupar dinheiro, mas nem todos conseguem. Isso porque economizar é um hábito que exige persistência e determinação. Os desafios para economizar dinheiro são uma ótima forma de se manter motivado e alcançar seu objetivo, seja a formação de uma reserva de emergência ou a realização de um sonho. Há inúmeros desafios e deve ser escolhido aquele que mais corresponda a suas metas e orçamento para que você não desanime no caminho. Conheça alguns para ajudá-lo a economizar.

A Selic mais alta pode piorar o endividamento dos brasileiros. A taxa subiu para 5,25% na semana passada e, segundo a economista Marcela Kawauti o risco do endividamento virar inadimplência é grande, pois muitas famílias ainda dependem de incentivos do governo concedidos ao longo da pandemia, como o auxílio emergencial. (CNN Brasil)

A situação dos brasileiros já não é boa: a parcela de endividados bateu recorde em julho e se tornou a maior em 11 anos. (Valor Investe)

Então… A Federação Brasileira de Bancos (Febrapan) lançou o Índice de Saúde Financeira do Brasileiro (I-SFB), uma ferramenta gratuita que faz o seu diagnóstico financeiro e compara sua média com outros cidadãos.

Também conta com uma plataforma de educação financeira para ajudar a administrar suas finanças.

A era dos juros “superbaixos” ficou para trás. Depois de uma longa temporada de corrida dos grandes bancos para baixar os juros do crédito imobiliário, o ciclo se inverteu. Com a previsão de momentos mais difíceis para a economia brasileira, alguns dos maiores bancos privados do Brasil aumentaram as taxas cobradas no crédito imobiliário em cerca de 0,5 a 1,0 ponto porcentual, chegando perto de 8% ao ano. (Estadão)

Viver

A prefeitura do Rio de Janeiro suspendeu a aplicação hoje da primeira dose da vacina contra Covid-19 em todos os postos devido ao atraso no envio de imunizantes pelo Ministério da Saúde. Somente mulheres grávidas ou que tiveram filhos recentemente e pessoas que vão receber a segunda dose poderão se vacinar. (CNN Brasil)

E o problema não é só a falta da primeira dose. Segundo o Ministério da Saúde, sete milhões de brasileiros não apareceram para tomar a segunda, o que os deixa mais vulneráveis ao Sars-Cov-2, em particular à variante delta. (Folha)

Nesta terça-feira foram registradas 1.183 mortes por Covid-19 no Brasil, mas a média móvel nos últimos sete dias ficou em 899, com queda de 17% em relação às duas semanas anteriores. No total, 564.890 pessoas morreram desde o início da pandemia. (G1)

“A universidade deveria ser para poucos.” A frase é de Milton Ribeiro, ministro da Educação. Segundo ele, o futuro está nos institutos federais, que formam técnicos. “Tenho muito engenheiro ou advogado dirigindo Uber porque não consegue colocação devida. Se fosse um técnico de informática, conseguiria emprego, porque tem uma demanda muito grande”, afirmou em entrevista ao Sem Censura, da TV Brasil. (Poder360)

Segundo dados da OCDE, o Brasil tem 16% de sua população com nível superior, contra 28% da Alemanha, que o ministro citou na entrevista, e 49% da Coreia do Norte, por exemplo.

Angela Pinho: “O Brasil destoa do mundo desenvolvido no acesso às universidades justamente porque suas universidades ainda são para poucos — e, com os estragos da pandemia e a inação do governo federal, tendem a ser para menos ainda. Sem crescimento econômico e sem um olhar para todas as áreas da educação, o Brasil provavelmente terá não só advogados, mas também técnicos em informática, eletrônica e outros egressos de cursos profissionalizantes dirigindo carros de aplicativo.” (Folha)

Cultura

O Instagram baniu o cartaz do novo filme do espanhol Pedro Almodóvar, Madres Paralelas (Mães Paralelas). A arte, que traz em close um mamilo com uma gota de leite pingando recortado como um olho com uma lágrima, violaria os termos de uso do Instagram. O premiado designer Javier Jaén, criador do cartaz, protestou e republicou seu trabalho. (Estadão)

O Rio terá uma Bienal do Livro diferente este ano, entre os dias 3 e 12 de setembro. O evento será híbrido, com atividades presenciais e online, terá o público limitado a 50% da capacidade do RioCentro e, além de usar máscaras, os visitantes terão de apresentar comprovante de vacinação. A expectativa da prefeitura é que até a abertura da Bienal todos os adolescentes a partir dos 12 anos tenham recebido a primeira dose na cidade. (Folha)

Robin, o parceirinho do Batman, apareceu pela primeira vez em abril de 1940, na edição 38 da Detective Comics. Mais ou menos na mesma época começaram as especulações sobre sua orientação sexual. O mistério está desfeito. Robin, ou pelos menos um deles, Tim Drake, é bissexual. A revelação acontece na edição mais recente da revista Batman: Urban Legends (Batman: Lendas Urbanas), escrita por Meghan Fitzmartin e desenhada por Belén Ortega. (UOL)

Como assim? Você não sabe que existe mais de um Robin? Confira a lista completa. (DC Comics)

Cotidiano Digital

O Google anunciou uma série de mudanças nas suas regras de privacidade para menores de 18 anos. Entre elas, esses usuários não poderão ativar o histórico de localização e anúncios não poderão mais ser segmentados para atingir esse grupo. (Axios)

E cerca de US$ 600 milhões em criptomoedas, o equivalente a mais de R$ 3 bilhões, foram roubados ontem do protocolo de blockchain da Poly Network. O ataque é um dos maiores de criptografia já registrados. A Poly consiste em uma aliança entre equipes de diferentes plataformas, como Neo, Ontology e Switcheo, para facilitar a troca de tokens entre diferentes blockchains. De acordo com os desenvolvedores, o montante roubado, que inclui Ethereum e outras moedas digitais, foi transferido para carteiras separadas. (O Globo)

Meio em vídeo. Na última semana, a Apple anunciou que irá escanear fotos presentes na galeria de iPhones, iPads e em seu serviço da nuvem, o iCloud em busca de conteúdo relacionado à violência infantil. Pedro Doria e Cora Rónai conversam sobre vigilância de arquivos privados e cuidados de segurança que podem ser tomados. Confira no YouTube.

Deixe um comentário

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.