Ouça agora na Rádio

CPI se encerra e entrega hoje relatório a Aras

Divulgação

Postado em 27/10/2021 por

Compartilhe agora

 Senadores avaliam apresentar ao STF notícias crime contra Bolsonaro caso Aras não se manifeste

Foram seis meses de trabalho e mais um dia de intensas negociações, mas a CPI da Pandemia aprovou ontem, pelos previsíveis 7 votos a 4, o relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL) pedindo o indiciamento de Jair Bolsonaro por nove crimes e de outras 77 pessoas e duas empresas. A lista inclui três filhos do presidente, ministros, ex-ministros, deputados, funcionários públicos, empresários e o governador do Amazonas, Wilson Lima (confira a relação completa). Ao descrever o comportamento de Bolsonaro durante a pandemia, Renan usou termos como “mentiroso”, “caviloso” e “desonesto”, além de classificar o presidente como um “serial killer” (assassino em série). “Este relator está sobejamente convencido de que há um homicida homiziado no Palácio do Planalto”, afirmou. Restou aos governistas, minoritários na comissão, protestar e discursar em defesa do presidente. Ao final da sessão, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), atendeu a um pedido da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) e convocou um minuto de silêncio pelas mais de 606 mil vítimas da pandemia no país. (g1)

Veja como votou cada senador. (UOL)

Apesar de terem votado em bloco pela aprovação do relatório, os senadores do chamado G7 não começaram o dia exatamente satisfeitos, como conta Igor Gadelha. Omar Aziz reclamou que Renan os “jogou aos leões” ao propor indiciamentos polêmicos, fazendo com que os demais integrantes do grupo assumissem o papel de “aliviadores” diante da opinião pública. (Metrópoles)

Um dos momentos mais turbulentos do dia aconteceu quando, a pedido do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Renan incluiu na lista de indiciados o colega de CPI Luis Carlos Heinze (PP-RS), que apresentou um voto em separado defendendo tratamentos ineficazes contra a covid-19. A decisão pegou mal e foi criticada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), fazendo com que Vieira voltasse atrás. Enquanto isso, Heinze jogava paciência no celular. (Poder360)

E agora? Os parlamentares pretendem levar na manhã de hoje o relatório aprovado ao procurador-geral da República, Augusto Aras. Ontem, ele disse que vai encaminhar o material para “análise prévia” de órgão da PGR antes de decidir sobre processos. Senadores avaliam apresentar ao STF notícias crime contra Bolsonaro caso Aras não se manifeste. (Globo)

E para dar ao dia um tom surrealista, o ex-presidente americano Donald Trump enviou ontem uma mensagem de apoio a Bolsonaro. “Ele é um grande presidente e nunca vai decepcionar as pessoas do seu país!”, escreveu Trump num e-mail, já que está banido de todas as redes sociais. (CNN Brasil)

O Telegram, porto seguro do presidente Jair Bolsonaro e seus seguidores, corre o risco de ser bloqueado no Brasil. A previsão está no projeto de lei contra a fake news que tramita na Câmara. O texto que está com os deputados altera o projeto aprovado no Senado e prevê que plataformas de troca de mensagens tenham representantes legais no Brasil, o que não é o caso do aplicativo russo. O projeto também prevê limitar ainda mais os disparos em massa tanto no Whatsapp quanto no Telegram. (UOL)

A ministra do STF Cármen Lúcia deu ontem prazo de 15 dias para que Procuradoria-Geral da República detalhe as medidas tomadas na investigação das notícias-crime contra o presidente Jair Bolsonaro nos atos antidemocráticos de 7 de setembro. Sob Augusto Aras, a PGR vem arquivando as notícias-crime com a alegação de ter aberto “investigação preliminar”, cujos detalhes não chegam ao Supremo. Cármen Lúcia parece querer dar fim a essa estratégia. (Poder360)

Falando em atos antidemocráticos, o militante bolsonarista Marcos Antonio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, se entregou ontem à Polícia Federal em Santa Catarina. Acusado de organizar atos contra as instituições democráticas, ele teve a prisão preventiva decretada pelo STF e passou quase dois meses foragido. (UOL)

Embora só deva se desfiliar do DEM hoje, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MG), participou no fim de semana de um evento do PSD no Rio. Embora o homenageado fosse o prefeito Eduardo Paes, que comanda o partido no estado, Pacheco foi tratado como estrela e virtual candidato ao Planalto. Porém, como conta o Radar, havia um infiltrado, o deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), vice-líder do governo na Câmara e bolsonarista raiz. (Veja)

Outro que passou rápida e discretamente pelo evento foi o deputado Rodrigo Maia (sem partido-RJ), que deixou o DEM e também deve embarcar no PSD. Segundo Lauro Jardim, Maia evitou alarde para não desagradar o governador paulista João Doria (PSDB), outro presidenciável, de quem é secretário de Projetos e Ações Estratégicas. (Globo)

Meio em vídeo. Fundador e CEO da Dharma, uma empresa de consultoria de análise de risco político, Creomar de Souza participa do Conversas falando sobre o cenário político brasileiro e a chance dos candidatos no próximo ano. De acordo com o analista, um nome deve se destacar e ganhar força no jogo político atual. Quem será? Dê play e descubra. (YouTube)

Já parou para pensar como nossa equipe consegue vasculhar tantos lugares diferentes para fazer a curadoria do que entra na edição do dia? O Monitor é o sistema que nos ajuda nesse processo, e agora está com o acesso liberado para nossos assinantes premium. Que ainda recebem sábado uma edição especial do Meio, mais analítica, só para quem tem assinatura premium.

Cultura

Morreu na noite de ontem Gilberto Braga, um dos mais importantes autores de novelas da história da TV brasileira. Ele tinha 75 anos, sofria de Alzheimer e teve uma infecção generalizada. O roteirista nasceu no Rio de Janeiro e foi crítico teatral antes de migrar para a TV. Seu primeiro trabalho na telinha foi em 1972, ao adaptar o romance A Dama das Camélias para o Caso Especial, da TV Globo. Dois anos depois debutou nas novelas, escrevendo Corrida do Ouro com Janete Clair e Lauro César Muniz. Em 1976, conquistou o Brasil e depois o mundo com Escrava Isaura. Mas sua consagração aconteceu ao assinar sua primeira novela no horário nobre, em 1978. Dancing Days revolucionou o gênero, popularizou a disco music no Brasil, elevou Sônia Braga a diva e mostrou que Gilberto, aos 32 anos, era um gênio da teledramaturgia. Também escreveu minisséries memoráveis, como Anos Dourados e Anos Rebeldes, mas a novela era seu território. Criou tipos antológicos, com destaque para a arquivilã Odete Roitman, vivida por Beatriz Segall em Vale Tudo. Uma de suas histórias, Paraíso Tropical, de 2008, recebeu o prêmio Emmy de Melhor Novela. Gilberto deixa o marido, o designer de interiores Edgar Moura Brasil, uma legião de fãs inconsoláveis e um vazio na cultura brasileira. (Globo)

Durante a madrugada, artistas usaram as redes sociais para homenagear Gilberto. Uma das mais emocionadas foi Zezé Motta, que tuitou: “Graças ao Gilberto Braga pude viver a Sônia em Corpo a Corpo. Em 1984, graças a ele falamos de racismo em horário nobre.” (CNN Brasil)

A galeria dos vilões memoráveis de Gilberto Braga vai muito além de Odete Roitman, relembre alguns deles. (Folha)

“Gosto de heróis, mas talvez eu escreva melhor vilões”, admitiu ao falar de seus personagens. (Memória Globo)

Milton Nascimento aproveitou ontem seu aniversário de 79 anos para anunciar que fará no ano que vem sua última turnê, chamada Última Sessão de Música 2022. A publicação é sutil e de bom gosto como toda a obra do artista, uma animação que remete à capa de seu disco Geraes, de 1976, ao som de Encontros e Despedidas (ouça no Spotify), mas já está provocando choro e ranger de dentes entre os fãs. (g1)

A cidadezinha de Mairi, no interior da Bahia, não tem um cinema até hoje, mas pode ter um de seus filhos concorrendo ao Oscar. Aly Muritiba, de 42 anos, sempre foi apaixonado pela arte, montando um cineclube aos 15 anos. Mas até chegar a cineasta encarou trabalhos nada cinematográficos, como bilheteiro de metrô e carcereiro. Ficou no passado: hoje é reconhecido em festivais como Brasília, Gramado, Sundance e Veneza. Seu longa Deserto Particular foi escolhido pela Academia Brasileira de Cinema para representar o Brasil no Oscar. A lista de indicados sai em fevereiro. (Folha)

Viver

O Rio é a primeira capital a abolir oficialmente o uso de máscaras em locais abertos. O decreto, baixado ontem pelo prefeito Eduardo Paes, vale a partir de hoje. Mas a matéria é polêmica: a decisão foi tomada após a Assembleia Legislativa aprovar uma lei autorizando municípios a flexibilizar o uso da proteção. Segundo o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, esta lei só vale após ser sancionada pelo governador Cláudio Castro e regulamentada. (Globo)

Segundo análise da Nature, a maioria dos especialistas põe entre 60 e 70% o índice que pode levar à imunidade da população em relação à Covid. Ainda faltam estudos mais sólidos a respeito mas, no caso da cidade do Rio, 65% da população está totalmente imunizada. Há cientistas ouvidos pelo Globo que condenam a iniciativa do prefeito. Também há os que defendem.

O governo do Distrito Federal baixou ontem um decreto também desobrigando o uso de máscaras em locais abertos. A medida entra em vigor no dia 3. (CNN Brasil)

Enquanto isso… Chega a 18 milhões o número de pessoas com a segunda dose de vacinas em atraso no Brasil, segundo comunicado do Ministério da Saúde. Apesar de ser muita gente, há uma redução de dois milhões em relação ao levantamento anterior. Na nota, o ministério enfatizou a importância da imunização completa para garantir a proteção contra a covid-19. (Poder360)

Nesta terça-feira o país atingiu a marca de 112.307.569 pessoas com as duas doses ou a dose única, o que corresponde a 52,65% da população. Também ontem foram registradas 409 mortes por covid-19, elevando o total a 606.293 e fazendo a média móvel de óbitos em sete dias ir a 342. (g1)

Fechou o tempo no Minas Tênis Clube. O motivo foi uma postagem em redes sociais do capitão do time de vôlei, Maurício Souza, no último dia 12, criticando a DC por anunciar que o novo Super-Homem é bissexual. Considerada homofóbica, a postagem foi criticada por torcedores e ONGs, mas a diretoria soltou uma nota dizendo que, embora não apoie as opiniões de Maurício, respeita a liberdade de expressão do atleta. A Fiat e a Gerdau, patrocinadoras da equipe, acharam pouco e cobraram uma atitude mais firme. Ontem o clube suspendeu Maurício e agora enfrenta uma rebelião dos demais jogadores, que ameaçam deixar a equipe em solidariedade ao capitão. (UOL)

Depois da punição, Maurício publicou um pedido de desculpas. Mas, enquanto a postagem homofóbica foi feita no Instagram, onde ele tem 294 mil seguidores, a retratação foi no Twitter, no qual o atleta é seguido por menos de cem pessoas. (Globo)

Embora não necessariamente sinceros, quase todos os países chegam à Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP26), na Escócia, com propostas de redução nas emissões de carbono. As duas exceções são o México e o Brasil, que pretendem aumentar as emissões até 2030. A informação está num relatório do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA), divulgado ontem. (g1)

Cotidiano Digital

Em audiência no Congresso dos Estados Unidos ontem, o TikTok negou ter dado informações ao governo da China e disse ter tomado medidas para proteger os dados de usuários dos EUA. O depoimento foi de Michael Beckerman, chefe de políticas públicas do TikTok para as Américas. Segundo ele, o aplicativo não repassa ou dá acesso ao governo do país asiático para consultar informações do app, ressaltando que os dados dos usuários do TikTok nos EUA são armazenados nos Estados Unidos, com backups em Singapura. (Estadão)

A rede social chinesa também é alvo de investigações pela Justiça americana sobre algoritmo, transparência e uso de dados de crianças e adolescentes. Outras empresas, como Snapchat e YouTube, também estão na mira. (Wall Street Journal)

E uma rede fraudulenta de aplicativos para Android pode ter feito mais de 10,5 milhões de vítimas no mundo todo. O esquema, batizado de UltimaSMS, aplicava golpes a partir do cadastro das vítimas em serviços de SMS, que depois era usado para registro em plataformas pagas em o seu consentimento. A rede contava com 151 apps na Google Play Store e incluía softwares para câmera, teclados, leitores de QRCode, editores de vídeos, jogos, entre outros. A ação foi descoberta pela Avast aponta que usuários de 80 países realizaram downloads. (Canaltech)

Meio em vídeo. Pedro Doria e Cora Rónai comentam dois lançamentos: o celular Realme GT Master Edition e o roteador Google Wifi, que parece resolver problemas de sinal que nem você sabia que tinha. (YouTube)

Deixe um comentário

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.