Ouça agora na Rádio

Inseguro, Bolsonaro se afasta do PL e filiação é dúvida

Divulgação

Postado em 16/11/2021 por

Compartilhe agora

Dada como certa na semana passada, com direito a data marcada, a filiação de Jair Bolsonaro ao PL foi adiada por três semanas, prazo para, nas palavras do presidente, “casar ou terminar o noivado”. Um dos motivos do atrito é que Valdemar Costa Neto, presidente do partido, já havia firmado um acordo para apoiar o tucano Rodrigo Garcia para o governo de São Paulo. Garcia é vice de João Doria, que disputa nas prévias do PSDB a chance de concorrer à presidência. Bolsonaro não admite o apoio a um afilhado do adversário. (Poder360)

Mas esse não é o único problema. Em pelo menos cinco estados do Norte e Nordeste — Amazonas, Ceará, Piauí, Alagoas e Pará — o PL tem alianças locais com adversários do governo, como o governador petista do Piauí, Wellington Dias. Esses grupos querem autonomia para montar suas coligações independentemente da eleição presidencial. (Globo)

Painel: “O presidente do PL chamou os presidentes dos 27 diretórios estaduais do partido para uma reunião amanhã. O dirigente quer discutir com todas as bancadas a filiação de Bolsonaro. O encontro, segundo pessoas próximas de Valdemar, tem por objetivo azeitar a entrada do presidente da República na sigla.” (Folha)

E há um terceiro fator, que não é tratado abertamente. Como conta Andréia Sadi, Bolsonaro pisou no freio diante da repercussão negativa entre sua base da filiação ao PL, especialmente por Costa Neto ter a própria imagem associada ao mensalão do PT. Na semana passada, ao se filiar ao Podemos, o ex-ministro Sérgio Moro fez um discurso atacando duramente a corrupção, citando tanto o mensalão quanto as denúncias de rachadinhas. Há o temor de que a filiação ao PL dê mais munição ao ex-juiz-futuro-candidato. (g1)

Sempre ligado ao pulso das redes sociais, foi o filho Zero Dois, o vereador carioca Carlos Bolsonaro, que enviou o alerta ao pai, que já estava em Dubai, conta Juliana Dal Piva. A ação de Carlos teria irritado o Zero Um, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), para quem os problemas com o PL são “contornáveis”. (UOL)

O que talvez não seja contornável é o nível da troca de mensagens entre Bolsonaro e Costa Neto no sábado. Diante das exigências do futuro filiado, o presidente do partido teria respondido: “Você pode ser presidente da República, mas quem manda no PL sou eu”, ouvindo palavrões. Costa Neto encerrou a conversa no mesmo tom: “VTNC você e seus filhos”. (Antagonista)

Coluna do Estadão: “Se Paulo Guedes não produzir um milagre, restará ao presidente apostar na realidade paralela e na guerra cultural para chegar ao segundo turno. As afirmações sobre a prova do Enem ‘ter a cara do governo’ não surpreenderam quem acompanha os monólogos de Bolsonaro país afora, especialmente para audiências evangélicas.” (Estadão)

Enquanto Bolsonaro enfrenta uma crise em seu futuro partido, as outras peças se movem no tabuleiro das eleições. Um rumor que ganhou fôlego no fim de semana foi o de uma possível chapa unindo o ex-presidente Lula (PT) e o ex-governador Geraldo Alckmin, que ainda está no PSDB, mas em vias de se filiar ao PSD de Gilberto Kassab. Os dois se enfrentaram no segundo turno, em 2006. Após discursar no Parlamento Europeu, Lula disse que tem uma “extraordinária relação de respeito” com o tucano, mas desconversou. “Já tenho 22 vices, 8 ministros da Economia, quando ainda nem decidi ser candidato”, disse. O ex-governador paulista, por sua vez, lembrou que já teve o nome especulado para o Senado e o governo estadual, declarou-se “muito honrado com a lembrança” e afirmou que Lula tem “apreço pela democracia”. (Poder360)

No campo da centro-direita e direita, o objetivo é afunilar as candidaturas. Segundo Bela Megale, os ex-ministros Sérgio Moro (Podemos) e Luiz Henrique Mandetta (DEM) e o ex-governador João Doria (PSDB) teriam um pacto de apoiar o nome do trio que tiver maiores chances de chegar ao segundo turno em 2022. Eles voltam a conversar em dezembro, após as prévias tucanas. (Globo)

Aliás… A consulta do PSDB continua dando dor de cabeça. A equipe de Doria apresentou à direção do partido uma auditoria apontando sete falhas no aplicativo a ser usado na votação, que começa neste domingo. (Veja)

E, após Ciro Gomes retomar a pré-candidatura, a direção do PDT tenta montar uma rede de alianças locais para dar palanques ao ex-ministro. O partido tem acordos regionais que vão da centro-esquerda à direita. (Folha)

Está para chegar às livrarias Lula, uma biografia, de Fernando Morais. Simpatizante declarado do ex-presidente, o escritor pôs no texto minúcias de como foi a prisão, mas omite detalhes e provas das acusações de corrupção. (Estadão)

Meio em vídeo. A eleição presidencial do ano que vem não está definida. Pelo menos metade dos brasileiros diz que não tem ideia de em quem vai votar. E um número muito grande de brasileiros persiste não querendo nem Lula, nem Bolsonaro. Confira no Ponto de Partida. (YouTube)

O diretor-geral da PF Paulo Maiurino mandou cancelar há quatro meses um encontro de funcionários da Corregedoria-Geral da União (CGU) com delegados do Serviço de Inquéritos (SINQ) que investiga autoridades com foro privilegiado, para falar do “orçamento secreto”, revela Malu Gaspar. De lá para cá, trocou seis dos oito delegados do SINQ. (Globo)

As eleições de domingo na Argentina marcaram uma derrota histórica para o peronismo do presidente Alberto Fernández. Pela primeira vez desde a redemocratização, em 1983, um governo peronista perdeu a maioria do Senado e precisará negociar para aprovar leis. Na Câmara, o governo tem 118 deputados, com estimativa de a coalizão de centro-direita Juntos por el Cambio (Juntos pela Mudança) ter até 117. A derrota só não foi pior porque as eleições renovaram apenas metade da Câmara e um terço do Senado. (g1)

Principal conselheiro de campanha de Donald Trump em 2016 e um dos gurus do clã Bolsonaro, o estrategista de extrema-direita Steve Bannon se entregou ontem ao FBI. A prisão foi decretada na sexta-feira após ele se recusar a depor e a entregar documentos ao comitê da Câmara que investiga a invasão do Capitólio em 6 de janeiro. Ele e Trump são suspeitos de estimular o ataque ao Congresso. (Poder360)

Quanto tempo o Meio economiza no seu dia? Chegar ao trabalho informado, como se tivesse a imprensa toda à mão em só oito minutos. Não há tema no café que lhe pegue de surpresa. São nossos assinantes premium que permitem que o Meio exista. Assine. Para nós, faz toda diferença.

Viver

A Comissão de Educação da Câmara quer que o ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro, explique o que Jair Bolsonaro quis dizer ao afirmar que as questões do Enem “começam a ter a cara do governo”. A prova acontece no próximo domingo, duas semanas após a debandada de servidores do Inep, órgão responsável pelo exame, em meio a acusações à direção por assédio moral, incompetência e ingerência política. (Globo)

Servidores do Inep detalham interferência no conteúdo das questões e entrada de pessoas não autorizadas na área onde são elaboradas as provas. (Fantástico)

A COP26 terminou no sábado com um relatório suavizado para agradar grandes poluidores, como China e Índia. Há uma defesa da redução do uso de combustíveis fósseis e a promessa de US$ 100 bilhões por ano dos países ricos até 2025 para financiar o controle de emissões, mas, para ambientalistas e especialistas, o compromisso é muito pouco, muito vago e, possivelmente, muito tarde. (g1)

E por falar… O presidente Jair Bolsonaro mentiu em discurso a empresários e investidores em Dubai. Além de dizer que a Amazônia “não pega fogo” por ser uma floresta úmida, ele afirmou que 90% dela está preservada, embora ela tenha perdido 16% do bioma e 19% da área original. (UOL)

A Europa já vive uma nova onda de covid-19, puxada por pessoas que não admitem se vacinar. A Áustria radicalizou e colocou em confinamento doméstico desde ontem pessoas não imunizadas. Elas só podem sair para fazer compras e atividades físicas e para receberem atendimento médico. Já a Holanda anunciou um lockdown de três semanas (g1)

Enquanto isso… Uma boa notícia vem do Rio. O último paciente internado com covid-19 no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla teve alta ontem. A unidade é referência no tratamento da doença na cidade. Adelino Gomes Silva Filho, de 70 anos, recebeu uma salva de palmas ao deixar o hospital. (Globo).

Confira os números da vacinação, das mortes e dos casos no Brasil. (g1)

Chefes não podem telefonar ou mandar mensagens para funcionários fora do expediente, salvo em casos especiais. Empresas devem pagar despesas como energia e serviço de internet para os empregados. E pais de crianças menores de oito anos podem optar por trabalhar de casa. Essas são algumas das regras que entraram em vigor em Portugal, numa tentativa de regulamentar o trabalho remoto, adotado generalizadamente na pandemia. (Estadão)

Panelinha no Meio. Sabe aquela receita de estrogonofe com ketchup, champignon em conserva e molho inglês? Esqueça. Hoje temos o estrogonofe russo de verdade, ou uma variante dele, com creme azedo servido à parte.

Cultura

Vencedora do Prêmio Jabuti de 2015, Conceição Evaristo leva para a Bienal do Livro, que começa no próximo dia 11, no Rio, uma vivência de tríplice exclusão: mulher negra e pobre. Em entrevista a Sonia Racy, ela lembra a frase “Nossos passos vêm de longe”. “Vêm desde os navios negreiros. Conseguimos avançar, mas ainda é muito pouco. O Brasil ainda está longe de ser um país pautado na justiça e direito à vida para todos”, diz. Por outro lado, em seu ofício, há um certo otimismo. “Hoje, para um escritor (negro) médio, é menos difícil publicar. Existem algumas editoras não negras que descobriram esse filão.” (Estadão)

E por falar… O escritor português Valter Hugo Mãe negou que tivesse aceitado o convite para participar do evento, apesar de ter sido anunciado numa mesa com o líder indígena Ailton Krenak. (Folha)

Lá se vão cinco décadas desde que o artista plástico Francisco Brennand (1927-2019) transformou a olaria da família no Recife num misto de ateliê e galeria monumental e a converteu numa das principais atrações turísticas da capital pernambucana. Transformada em instituto meses antes da morte de seu criador, a Oficina Brennand profissionalizou sua equipe, passou a apresentar projetos via leis de incentivos, ampliou atividades educativas e agora se prepara para receber mostras de artistas como Ernesto Neto e Louise Bourgeois. (Folha)

Após perder os direitos autorais de seus primeiros discos, Taylor Swift vem regravando os álbuns. Já havia lançado Fearless (Taylor version) e, na sexta-feira, saiu Red (Taylor version) (Spotify). Ela já dera uma amostra de que está com novas ideias ao transformar All Too Well num curta metragem estrelado por Sadie Sinke e Dylan O’Brien, e agora lança o vídeo de I Bet You Think About Me (YouTube). A direção dessa vez passou para a amiga e atriz Blake Lively, de Águas Rasas e Gossip Girls, que debuta na função. (Omelete)

Cotidiano Digital

O Fortnite, um dos games mais populares do mundo, não está mais disponível na China. Os servidores do jogo foram desligados ontem pela desenvolvedora Epic Games, que já havia estabelecido um prazo limite para oferecer o aplicativo ao mercado chinês. A decisão foi motivada pela crescente intervenção do governo da China sobre o setor de tecnologia. Em setembro, as autoridades do país anunciaram uma série de regras para conter o vício em jogos eletrônicos na China, reduzindo o tempo que crianças e adolescentes passam online. Outras medidas também impactaram uma série de grandes empresas de tecnologia, que decidiram encerrar suas operações no país asiático. (g1)

Celular dobrável, robô que ajuda crianças, óculos inteligentes. Essas foram algumas das melhores invenções de 2021, segundo ranking anual da Time. Na lista de principais inovações do mundo, a publicação destaca a nova geração de smartphones dobráveis da Samsung, o Galaxy Z Flip Fold 3, o “Robin the Robot”, desenvolvido para ajudar crianças emocionalmente em hospitais, e óculos inteligentes com realidade aumentada. Também fazem parte da seleção o foguete New Shepard, da empresa de turismo espacial de Jeff Bezos. (Time)

Meio em vídeo. Neste Pedro+Cora entrevistamos o cientista político Rafael Georges, da Luminate, uma organização que acompanha a imprensa digital e sua relação com a democracia. O estudo internacional Ponto de Inflexão traz descobertas sobre impacto, inovação, ameaças, modelos de negócios e equipes de veículos nativos digitais. Confira. (YouTube)

Deixe um comentário

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.