Ouça agora na Rádio

Três chefes de governo europeus visitam Kiev sob risco

Assessoria

Postado em 16/03/2022 por

Compartilhe agora

Com mais uma rodada de negociações com a Rússia marcada para hoje, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, fez ontem um aceno ao dizer que seu país não vai aderir à Otan, possibilidade apontada como um dos motivos para a invasão russa. “Por anos nós ouvimos sobre uma ‘porta aberta’ (à Otan), mas também ouvimos que não poderemos entrar. E essa é uma verdade que precisamos aceitar”, disse ele. Ainda no campo diplomático, os primeiros-ministros da Polônia, da Eslovênia e da República Tcheca, todas integrantes da Otan, fizeram ontem uma perigosa viagem de trem até Kiev para declarar pessoalmente seu apoio aos ucranianos. (Guardian)

Ele não vai à Ucrânia, claro, mas o presidente dos EUA, Joe Biden, fará na semana que vem sua primeira visita à Europa desde a invasão russa. Ele vai participar de uma cúpula da Otan no dia 24 e assistir a uma reunião do Conselho da Europa para tratar da crise na Ucrânia. (CNN)

Longe das mesas de negociações, o presidente russo Vladimir Putin determinou, segundo a inteligência britânica, o envio de reforços de outras regiões do país para a Ucrânia, onde suas tropas enfrentam uma resistência muito maior que a esperada. Putin também estaria contratando empresas privadas, tropas sírias e mercenários. E os russos intensificaram os bombardeios em Kiev, atingindo mais uma vez prédios residenciais. (CNN)

Para ler com calma. Desde o início da guerra, uma criança ucraniana se tornou refugiada a cada segundo. Algumas ouvem dos pais que estão numa (desconfortável) viagem de férias; outras ouvem a verdade sem rodeios. Em desenhos, elas mostram o impacto psicológico da invasão. (Washington Post)

Dois jornalistas que trabalhavam para a rede americana Fox News, a produtora ucraniana Oleksandra Kurshynova e o cinegrafista Pierre Zakrevsky, morreram em Kiev no mesmo ataque russo que feriu o repórter britânico Benjamin Hall. (UOL)

Falando em jornalistas, Marina Ovsyannikova, funcionária da TV estatal russa que interrompeu um jornal ao vivo para protestar contra a guerra, foi interrogada ontem durante 14 horas, sem assistência de um advogado, pela polícia e condenada por um juiz a pagar multa equivalente a R$ 1.400. Ovsyannikova ainda pode ser processada com base na nova lei de “informações falsas” e pegar uma pena de até 15 anos. (New York Times)

O PL atingiu ontem a marca de 63 deputados, tornando-se o partido com a maior bancada na Câmara, resultado, principalmente, da migração de bolsonaristas. A maioria veio do União Brasil, resultado da fusão do DEM e do PSL. Na terça-feira, filiaram-se ao PL, por exemplo, Carla Zambelli (SP), Major Fabiana (RJ), Chris Tonietto (RJ) e General Girão (RN). O número deve aumentar, pois a janela de troca de partidos vai até o início de abril. (Globo)

Por outro lado… A expansão do PL no Congresso não se reflete na base. Segundo a Coluna do Estadão, a legenda vem perdendo filiados desde o ingresso do presidente Bolsonaro. A meta de repetir o PSL, que ganhou 14 mil novos adeptos com a filiação dele em 2018, não se concretizou. (Estadão)

O ex-ministro Sérgio Moro e seu partido, o Podemos, foram excluídos de uma reunião das cúpulas de MDB, PSDB e União Brasil na noite de domingo para tratar de uma candidatura única às eleições presidenciais. A esnobada, conta Igor Gadelha, foi um recado para que o ex-juiz mande sinais de que estaria disposto a abrir mão da disputa em favor de um nome com mais chances. Aliados de Moro minimizaram a ausência e disseram que ele deve se encontrar nos próximos dias com Luciano Bivar, presidente do União Brasil. (Metrópoles)

Com a escolha do general Braga Netto para ser vice na chapa de Jair Bolsonaro (PL) dada como certa, o Planalto e militares já se articulam para sua substituição à frente do Ministério da Defesa. O nome mais cotado é o do comandante do Exército, general Paulo Sérgio, que vem tendo encontros com o presidente fora da agenda. Segundo auxiliares, Bolsonaro quer um militar como companheiro de chapa pelo temor de ser traído e deposto caso tenha um político do Centrão como vice. (UOL)

Meio em vídeo. Notícias falsas difundidas pelas redes são uma ferramenta antiética e poderosa em eleições no Brasil e em outros países, a ponto de o Congresso estar debatendo uma lei para coibi-las. Essa semana no Conversas com o Meio, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) explica pontos importantes do projeto, no qual é relator. Polêmica é o que não falta. (YouTube)

Embora tenha ameaçado suspender monocraticamente o funcionamento no Brasil do aplicativo de mensagens russo Telegram, o ministro do STF Alexandre Moraes está desde maio de 2020 segurando uma ação no STF com o mesmo. Ele pediu vistas em um processo sobre item do Marco Legal da Internet que permite o bloqueio desse tipo de aplicativo. Já há dois votos, de Rosa Weber e Edson Fachin, contra a medida. (Folha)

Enquanto isso… O Telegram segue como uma terra de ninguém, onde grupos disseminam discursos de ódio e negociam drogas, armas e pornografia infantil. (Fantástico)

Todo assinante premium recebe as edições de Sábado. São o melhor que fazemos: histórias bem contadas que iluminam um tema da semana. Quem assina tem acesso a todas as edições passadas, pelo site. Além disso, em um tempo no qual a publicidade está em crise, são os assinantes premium que nos sustentam. Precisamos muito desta ajuda. E agradecemos demais a todos que podem pingar sua contribuição. Até por que, cá entre nós, são R$ 10 por mês. Assine.

Viver

O Ministério da Saúde confirmou ontem os dois primeiros casos no Brasil de uma variante do sars-cov-2 apelidada de deltacron, por misturar características das cepas delta e ômicron. Segundo o ministro Marcelo Queiroga, um caso foi identificado no Amapá e outro no Pará. Ele não informou o estado de saúde dos pacientes nem se eles viajaram ou tiveram contato com pessoas que vieram do exterior. (g1)

Enquanto isso… Queiroga se reuniu ontem com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para tratar do rebaixamento da covid-19 à categoria de endemia. Ele já havia tratado do assunto na semana passada com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e vai conversar na sexta-feira com o ministro Luiz Fux, que preside o STF. O governo quer, com isso, acabar com a Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), o que anularia medidas de distanciamento, como a exigência de máscaras. Mas o fim da Espin também afeta autorizações emergenciais de vacinas e compras públicas. Queiroga quer evitar que o rebaixamento seja questionado na Justiça e no Legislativo. (Poder360)

A comunidade LGBTQIA+ foi abalada pela morte, na noite de segunda-feira, do policial civil Paulo Vaz, de 36 anos, homem transgênero gay, influenciador e ativista, conhecido como Popó Vaz. Ele foi encontrado morto, e a causa ainda não foi divulgada. O policial, um dos poucos transgêneros em forças de segurança, era casado com o youtuber PedroHMC, dono do canal Põe na Roda. A notícia foi dada oficialmente pelo perfil da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA) no Twitter, acrescentando que Popó era mais um “que não suportou continuar em uma sociedade tão violenta e desumana.” (g1)

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), que reúne mais de 120 empresas do setor, declarou-se ontem contrário ao projeto que libera a exploração mineral em terras indígenas, previsto para ser votado em regime de urgência na Câmara, revelou Lauro Jardim. A entidade não se diz contra a mineração nessas áreas, mas defende um debate mais amplo da sociedade. Reservadamente, as grandes empresas de mineração avaliam que o projeto em discussão teria impacto ambiental devastador e beneficiaria principalmente o garimpo ilegal. (Globo)

Madri amanheceu nesta terça-feira parecendo uma paisagem marciana — se Marte tivesse cidades. O céu de fim do Inverno estava tingido de vermelho, enquanto uma poeira alaranjada cobria carros e prédios. A mudança na paisagem foi resultado de um fenômeno que os espanhóis chamam de ‘calima’ (bruma), quando ventos quentes espalham a areia do deserto do Saara, no Norte da África. É algo relativamente comum nas Ilhas Canárias, um arquipélago espanhol na costa africana, mas esta nuvem de poeira é invulgarmente grande, com possibilidade de atingir a costa brasileira. (UOL)

Cultura

O Ministério da Justiça determinou ontem a censura à comédia Como se Tornar o Pior Aluno da Escola, de 2017, alegando apologia à pedofilia devido a uma cena onde o vilão, um pedófilo vivido por Fábio Porchat, assedia dois adolescentes. Baseado num livro de Danilo Gentili, o filme se tornou alvo de bolsonaristas ao entrar na grade da Netflix, que está proibida de exibir o longa. O mesmo vale para as plataformas da Globo, do Google, da Apple e da Amazon. Segundo o especialista em direito constitucional Gustavo Binenbojm, a decisão do ministério fere o Inciso 9 do Artigo 5 da Constituição, que declara livre a manifestação intelectual e artística, independentemente de censura. O STF também já decidiu que nem mesmo a exibição de um filme fora do horário indicativo pode acarretar penalidade. (g1)

Por também considerar a medida inconstitucional, a Globoplay e o Telecine, plataformas de streaming do Grupo Globo, anunciaram que não vão tirar o filme de seu catálogo. A Netflix ainda não se manifestou. (Globo)

Franca favorita ao Oscar de Melhor Direção por Ataque dos Cães (trailer), a neozelandesa Jane Campion esteve ontem sob ameaça de cancelamento nas redes sociais e correu para se desculpar com as irmãs tenistas Serena e Venus Williams. As duas participavam no domingo da entrega do Critics Choice Awards 2022, quando Campion ganhou o prêmio de direção. Ao agradecer, a cineasta homenageou as mulheres presentes, mas fez uma brincadeira com as tenistas: “Venus e Serena, vocês são maravilhosas. No entanto, vocês não jogam contra os caras, como eu tenho que fazer.” A piada foi interpretada nas redes como desmerecimento às conquistas das irmãs, iniciando um movimento de repúdio a Campion, que logo se retratou. “Fiz um comentário sem pensar comparando o que faço no mundo do cinema com tudo o que Serena Williams e Venus Williams alcançaram. Eu não pretendia desvalorizar essas duas lendárias mulheres negras e atletas de nível mundial”, disse. (Omelete)

Escrito em 1917, em plena Grande Guerra (1914-1918), por um certo Mário Sobral, Há uma Gota de Sangue em Cada Poema traz versos recheados de críticas a militares e governantes e é um dos destaques num leilão de obras modernistas no Rio. Primeiro por ser um original em bom estado da primeira edição, impressa em “papel de guerra”, um material de menor qualidade usado durante o conflito. Segundo porque Mário Sobral era um pseudônimo de Mário de Andrade (1893-1945), autor de Macunaíma e um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna de 1922. (Estadão)

O Senado aprovou nesta terça-feira a chamada Lei Paulo Gustavo, que destina R$ 3,8 bilhões a estados e municípios para apoio ao setor cultural, abalado pela pandemia da covid-19. Os senadores resgataram a versão original do projeto, modificada na Câmara para dar à Secretaria Especial de Cultura do governo federal ingerência sobre os recursos. O texto vai agora para sanção presidencial. (g1)

Cotidiano Digital

Um ‘exército’ global de voluntários especialistas em Tecnologia da Informação está promovendo ataques hackers em uma guerra digital contra a Rússia durante a invasão na Ucrânia. Segundo o Guardian, cerca de 300 mil pessoas estão inscritas em um grupo no Telegram chamado “IT Army of Ukraine”. No canal, os participantes recebem tarefas como interromper serviços russos na internet. Os sites de mídia estatais, vários bancos e a gigante de energia Gazprom já foram alvos do grupo criado pelo vice-primeiro-ministro da Ucrânia e ministro da Transformação Digital, Mykhailo Fedorov. (Guardian)

Agora é possível desbloquear o iPhone por meio de identificação facial (Face ID) mesmo que você esteja de máscara. A novidade é o principal destaque na versão 15.4 do iOS lançada nesta semana pela Apple. Já disponível para iPhones 12 e 13, incluindo suas variações Mini e Pro. (g1)

Meio em vídeo. A Apple anunciou os seus produtos de 2022 no começo de fevereiro, com destaque para o Mac Studio. Um computador potente com o processador M1, ótimo para edições de vídeo. No mercado norte-americano o valor é de US$ 2.000 (R$ 10,2 mil). No Brasil, o preço base é de R$ 20,000. Pedro Doria e Cora Rónai indagam que conversão é essa que faz quase dobrar o preço do produto no mercado brasileiro. (YouTube)

Deixe um comentário

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.